Sostenibilidad económica, social y ambiental

Impactos del uso de agrotóxicos sobre la sostenibilidad de la salud ambiental

Maria Glória Dittrich, Heloisa Beatriz Machado, Cindy Jaschefsky

DOI: https://doi.org/10.14198/Sostenibilidad2022.4.03

Resumen

La sustentabilidad ha interesado a investigadores en las áreas de derecho, salud, políticas públicas desde concepciones que demuestran la interrelación de estas áreas con la vida en su multidimensionalidad, como el cuidado del ser humano como ser biofísico, psíquico, espiritual, social, político y ambiental, y requiere una mirada sostenible a la salud ambiental. Se entiende por sostenibilidad el conjunto de procesos y acciones encaminados a mantener la vitalidad de la Madre Tierra, la preservación de sus ecosistemas en sus elementos físicos, químicos y ecológicos que posibilitan la existencia y producción de vida. Un tema sensible para la sostenibilidad es el uso de pesticidas, cuyos impactos interfieren con la salud humana y ambiental. El objetivo de este artículo fue identificar el impacto del uso de pesticidas para los seres humanos y el medio ambiente. La investigación utilizó la hermenéutica fenomenológica que representa una forma de comprender y expresar la percepción de lo observado por el investigador en su experiencia. En el análisis, la evidencia teórica apoyó las reflexiones / percepciones del investigador de 4 categorías: Impactos del uso insostenible del aire, agua, suelo, agricultura y pesticidas en la salud humana.

Palabras clave

agrotóxicos; medio ambiente; sostenibilidad.

Texto completo:

PDF Estadísticas

Referencias

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2019). Lista de Ingredientes Ativos de Uso Autorizado no Brasil. Rio de Janeiro, 2019. http://portal.anvisa.gov.br/registros-e-autorizacoes/agrotoxicos/produtos/monografia-deagrotoxicos/autorizadas

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2012). Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos. Brasília. http://portal.anvisa.gov.br/programa-de-analise-de-registro-de-agrotoxicos-para

Alencar, G. S. (2013). Código de conduta: uma potencialidade para o desenvolvimento sustentável da floricultura do agropolo [Tesis doctoral]. Universidade Estadual Paulista, “Julio de Mesquita Filho”, Rio Claro, SP.

Albuquerque, A. F. (2016). Pesticides in Brazilian freshwaters: a critical review. Environmental Science: Processes and Impacts, 779-787. http://dx.doi.org/10.1039/C6EM00268D

Almeida, N. R. de, Affe, H. M. de J., Bardoni, S. de A. V., y Paulo, E. M. (2013). Parâmetros microbiológicos e condição sanitária da água de uma lagoa urbana em Salvador, Bahia. RevInter - Revista InterTox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, 6(2), 62-74.

Almeida Neto, M. G., y Reis, R. B. S. (2017). Agrotóxicos em água para o consumo humano: revisão de literatura. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 10(33), 274-282. https://doi.org/10.14295/idonline.v10i33.621

Araújo, I. M. M., y Oliveira, A. G. R. C. (2017). Agronegócio e agrotóxicos: impactos à saúde dos trabalhadores agrícolas no nordeste brasileiro. Trabalho, Educação e Saúde, 15(1), 117-129. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00043

Associação Paranaense das Vitimas Expostas ao Amianto e aos Agrotóxicos – APREAA. (2018). Agrotóxicos podem causar câncer, apontam pesquisas. G1. https://g1.globo.com/pr/parana/especial-publicitario/apreaa/noticia/agrotoxicos-podemcausar-cancer-apontam-pesquisas.ghtml

Belchior, D. (2019). Impactos de agrotóxicos sobre o meio ambiente e a saúde humana. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 34(1), 135-151. http://seer.sct.embrapa.br/index.php/cct/article/view/26296

Boff, L. (2017). Sustentabilidade: o que é – o que não é. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bohner, T. O. (2015). Agrotóxicos e Sustentabilidade: percepção dos sujeitos sociais no meio rural. [Tesis de doctorado]. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

Brasil. (1989). Lei nº 7802, de 11 de julho de 1989, dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 11 jul. 1989.

Brasil. (2009). Resolução CONAMA No 420, de 28 de dezembro de 2009. CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer, INCA. (2010) A situação do câncer no Brasil/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Instituto Nacional de Câncer, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de Janeiro, RJ. https://www.inca.gov.br/riscos_agrotoxicos_ms/agrotoxicos

Brasil, Conselho Nacional de Saúde. (2012) Resolução CNS no 466 de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadores para a pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 13 jun.2013, p.59.

Brasil. (2015). Projeto de Lei no 3.220 de 06 out. 2015, dispõe sobre a Política Nacional de defensivos Fitossanitários e de Produtos de Controle Ambiental, seus componentes e 30 afins, bem como sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a in seção e a fiscalização de defensivos fitossanitários e de produtos de controle ambiental, seus componentes e afins, e dá outras providências. Brasília, Câmara dos Deputados, 2015.

Brasil, Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde (2016). Resolução Nº 510, de 7 de abril de 2016. Dispensa de revisão ética. Diário Oficial Da União, Edição 98, Seção 1, p. 44, Brasília, DF.

Brasil, Ministério Da Saúde (2018). Instituto Nacional Do Câncer, INCA. Agrotóxicos. Brasília, DF. https://www.inca.gov.br/exposicao-no-trabalho-e-no-ambiente/agrotoxicos

Brasil, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2019) Ato nº 82, de 25 de novembro de 2019. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

Brasil. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (2017) Portaria nº 24, de 16 de agosto de 2017. Regimento Interno do IBAMA. Diário Oficial da União, Brasília, DF. http://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/legislacao/IBAMA/IN0015-190713.pdf

Capra, F. (2005). As Conexões Ocultas: Ciência para uma vida sustentável. Cipolla, M., (Trad.). Cultrex.

Carneiro, F., Silva, L., y Rigotto, R. (2015). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde, 119. Rio de Janeiro, EPSJV y Expressão Popular.

Carvalho, T. (2018) Brasil, campeão mundial em consumo de agrotóxicos. https://www.politize.com.br/brasil-campeao-mundial-em-consumo-de-agrotoxicos/

Chrisman, J. R., Koifman, S., Sarcineli, P. N., Moreira, J. C., Koifman, R. J., y Meyer, A. (2009). Pesticide sales and adult male cancer mortality in Brazil. International Journal of Hygiene and Environmental Health, 212(3), 310-321.

Coelho, J. L. S. (2019). Sustentabilidade x Agrotóxico de origem ilícita: um estudo da percepção e comportamento ambiental de agricultores familiares no Oeste do Paraná. 2019. [Trabajo final de máster en Administración]. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel.

Dittrich, M. G., y Leopardi, M. T. (2015), Hermenêutica fenomenológica: um método de compreensão das vivências com pessoas. Discursos fotográficos, 11(18), 97-117.

Dutra, L., y Ferreira, A. (2017). Associação entre malformações congênitas e a utilização de agrotóxicos em monoculturas no Paraná. Saúde e Debate, 41(2), 241-253. https://doi.org/10.1590/0103-11042017S22

Fernandes, N., y Sarcinelli, P. N. (2009) Agrotóxicos em água para consumo humano: uma abordagem de avaliação de risco e contribuição ao processo de atualização da legislação brasileira. Revista Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 14(1), 69-78.

Fernandes, C. L. F., Ramires, P. F., De Moura, R. R., Volcão, L. M., y Junior, F. M. R. da S. (2020). Which pesticides are contaminating a brazilian soils?. Research, Society and Development, 9(3), 114932569. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i3.2569

Ferreira, M. L. (2013). A regulação do uso dos agrotóxicos no Brasil: uma proposta para um direito de sustentabilidade. [Tesis doctoral]. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Food and Agriculture Organization of the United Nations, FAO. (2015). Agricultural Outlook (p. 2015–2024). FAO. http://dx.doi.org/10.1787/agr_outlook-2015-en

Fraceto, L. F., Campos, E. V. R., Oliveira, J. L., y Medeiros, G. (2015). Nanotecnologia: uma solução em potencial para os problemas da agricultura?. Jornal Cruzeiro do Sul. https://www2.jornalcruzeiro.com.br/materia/594598/nanotecnologia-uma-solucao-em-potencial-para-os-problemas-da-agricultura

Furlan, K. M. (2016). Direito humano à alimentação adequada sob uma perspectiva socioambiental: repercussões do controle hegemônico da vida através das grandes corporações de mercado. [Trabajo final de grado]. Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS.

Garcia, E. (2010). Todo cuidado é pouco. Le monde Diplomatique, (v. 33). Darthy.

Ghersel, E. (2007). A avaliação ambiental estratégica e a política nacional do meio ambiente. Belo Horizonte: Del Rey.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas.

Gomes, A. S. A. (2017) Avaliação da qualidade da água e do sedimento no reservatório de abastecimento público do Ribeirão João Leite – GO. [Trabajo final de máster]. Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO.

Hurni, H., Giger, M., Liniger, H., y Studer, R. (2015). Soils, agriculture and food security. Current Opinion in Environmental Sustainability, (15), 25-34. http://dx.doi.org/10.1016/j.cosust.2015.07.009

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2011). Atlas de Saneamento. Rio de Janeiro: IBGE. http://bit.do/ibge_atlas11

Instituo Nacional do Câncer, INCA. (2015) Posicionamento do Instituto Nacional de Câncer acerca dos Agrotóxicos. http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/agencianoticias/site/home/noticias/2015/inca_lanca_documento_e_promove_debate_sobre_maleficios_dos_agrotoxicos

Instituo Nacional do Câncer, INCA (2018). Inca lança documento e promove debate sobre malefícios dos agrotóxicos. http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/agencianoticias/site/home/noticias/2020/inca_lanca_documento_e_promove_debate_sobre_maleficios_dos_agrotoxicos

Instituto Nacional de Câncer, INCA. (2019). Agrotóxico: Exposição no trabalho e no ambiente Rio de Janeiro, RJ. https://www.inca.gov.br/en/node/1909

Knapik, H. G. (2009). Reflexões Sobre monitoramento, modelagem e calibração na gestão de recursos hídricos: estudo de caso da qualidade da água da Bacia do Alto Iguaçu. [Trabajo final de grado]. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Londres, F. (2011). Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida. AS-PTA, Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa.

Lopes, C. V. A., y Albuquerque, G. S. C. (2018). Agrotóxicos e seus impactos na saúde humana e ambiental: uma revisão sistemática. Saúde em Debate, 42(117), 518–534. https://doi.org/10.1590/0103-1104201811714

Lopes, T. (2019). O uso de agrotóxicos no Brasil, riscos e tutela jurídica. UniEvangélica. http://repositorio.aee.edu.br/jspui/handle/aee/8584

Miorin, J. (2016) Percepções de agricultores sobre o impacto dos agrotóxicos para a saúde e o meio ambiente. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 6(3), 2410-2420.

Montero, C. E. P. (2011). Extrafiscalidade e meio ambiente: O tributo como instrumento de proteção ambiental. Reflexões sobre a tributação ambiental no Brasil e na Costa Rica. [Tesis doctoral]. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Moura, L. T. R., Ramon, J. L. M., Dias, A. C. S., y Galindo, C. N. (2014). Perfil epidemiológico dos casos de intoxicação por agrotóxicos. Rev. Enferm., 8(1), 333-341. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v8i7a9923p2333-2341-2014

Okuyama, J. (2020). Intoxicações e fatores associados ao óbito por agrotóxicos: estudo caso controle no Brasil. Revista Brasileira Epidemiológica, 23(7), 1-13. https://doi.org/10.1590/1980-549720200024

Organização Pan-americana da Saúde, OPAS. (2018). Manual de vigilância da saúde de populações expostas a agrotóxicos. Organização Mundial de Saúde, OMS.

Petersen, P. (2015). Um novo grito contra o silêncio. En F. F. Carneiro (Ed.), Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde (pp. 27-36). EPSJV y Expressão Popular.

Pignati, W. (2018). Entenda por que o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,ERT150920-17770,00.html

Porto, M. F. (2012). Ecologia política, economia ecológica e saúde coletiva: interfaces para a sustentabilidade do desenvolvimento e para a promoção da saúde. Cadernos de Saúde Pública, 23(4), 503-512.

Ratola, N. (2014). Biomonitoring of pesticides by pine needles - Chemical scoring, risk of exposure, levels and trends. Science of the Total Environment, 476–477(1), 114-124. https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2014.01.003

Romano, R. (2016). Os agrotóxicos e os produtos fitossanitários. Revista Jus Navigandi, 21(4848), 1-2. https://jus.com.br/artigos/50472.

Salles, C. (2014). Agrotóxicos: é possível o uso sustentável ao seguir recomendações. JusBrasil. https://carollinasalle.jusbrasil.com.br/

Santiago. J., y Sanrandón, S. J. (2014). El agroecosistema: un ecossistema modificado. En S. J. Sanrandón y C. C. Flores (Org.), Agroecología: bases teóricas para el diseño y manejo de agroecosistemas sustentables (pp. 100-130). Universidad Nacional de La Plata.

Santos, I. L. (2014) Modo de vida ou meio de vida? Dimensões educacionais e psicossociais sobre viver no mundo rural, na perspectiva de pequenos agricultores da região metropolitana de Curitiba/PR. [Trabajo final de grado]. Universidade Federal do Paraná.

Santos, M. B. H. (2019). O uso dos agrotóxicos no Brasil: suas implicações e desafio. Espaço em Revista, 20(2), 34. https://doi.org/10.5216/er.v20i2.57946

Silva, K. O., Souza, T. L. de, Santos, G. S., Souza, E. P., y Messias, G. C. (2015). Situações de risco dos trabalhadores no agronegócio da manga do Centro-Sul Baiano. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade. 9(4), 191-219. https://doi.org/10.22292/mas.v9i4.454

Sousa, M. (2012). Uso de agrotóxicos e impactos econômicos sobre a saúde. Revista Saúde Pública, 46(2) 209-217. https://doi.org/10.14295/idonline.v10i33.621

Souza, M. A. (2019). A hegemonia ideológica do conceito de agronegócio como modelo de desenvolvimento prioritário para o espaço agrário brasileiro: notas para um debate. Revista Geografia em Atos, 3(10), 50-72.

Stoffel, J. A., Colognese, S. A., y Silva, R. N. B. (2014). A sustentabilidade na agricultura familiar e as formas. UNIOESTE.

Sudré, L. (2019). Agrotóxicos: 44% dos princípios ativos liberados no Brasil são proibidos na Europa. Brasil de Fato. https://www.brasildefato.com.br/2019/08/06/agrotoxicos-44-dos-principios-ativos-liberados-no-brasil-sao-proibidos-na-europa

Teixeira, P. (2017). O país dos Agrotóxicos. Abrasco. https://www.abrasco.org.br/site/noticias/movimentos-sociais/o-pais-dos-agrotoxicos-artigo-do-deputado-federal-paulo-teixeira/31998/

Toledo, V. M., y Barreira-Bassols, N. (2015). A memória biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. Expressão Popular.

Torres, J., Mendez, A., Bastos, W., y Bogdal, C. (2015) Modeling the dynamics of DDT in a remote tropical floodplain: indications of post-ban use? Environ. Sci. Pollut., 23(11), 10317-10334. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26503006

Zhao, Z., Zhang, L., Deng, J., y Wu, J. (2015). The potential effects of phytoplankton on the occurrence of organochlorine pesticides (OCPs) and polycyclic aromatic hydrocarbons (PAHs) in water from Lake Taihu, China. Environmental Science: processes & impacts, 17(6), 1150-1156. https://pubs.rsc.org/en/content/getauthorversionpdf/C5EM00025D




DOI: https://doi.org/10.14198/Sostenibilidad2022.4.03

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2020 Maria Glória Dittrich, Heloisa Beatriz Machado, Cindy Jaschefsky

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.